domingo, 28 de agosto de 2011

MANOEL GONÇALVES DE ABRANTES – BIOGRAFIA DE UM LÍDER DO SERTÃO PARAIBANO


By Rostand Medeiros


Autora – Maria Nestorina Dantas Gonçalves de Abrantes.

Nasceu Manoel Gonçalves de Abrantes em 11.11.1889 no distrito do Lastro, pertencente ao município de Sousa-Pb, filho primogênito de uma prole de onze filhos, do pequeno agricultor e pecuarista João Gonçalves dos Santos e de dona Maria de Abrantes Ferreira, ambos de origem portuguesa, cujos antepassados foram pioneiros na colonização do Vale do Rio do Peixe.

Manoel Gonçalves de Abrantes

Faleceu o ilustre sousense em 09.11.1973, na cidade de Sousa-Pb, em virtude de complicações decorrentes da doença de Alzheimer.
Era proprietário rural, dedicando-se à criação de gado, plantação de algodão, cana de açúcar e de outros gêneros alimentícios. Possuía em suas fazendas muitos engenhos, onde produzia raspaduras e outros derivados da cana de açúcar. Na adolescência estudou no “Ateneu Santanense”, em Santana dos Matos, no vizinho Estado do Rio Grande do Norte, sob a orientação do Padre Lúcio Gambarra, porém, por contingências políticas e familiares, não completou os seus estudos, interrompendo-os na quinta série do ensino fundamental.
Sua liderança natural aflorou em diversas ocasiões, notadamente na defesa de seus patrícios, na conciliação de conflitos de terra. Possuía o respeito, ímpeto e arrojo que se destacaram nos sertões da Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte, chamado que era para dirimir conflitos e defender sua terra. Sua fidalguia, liderança e trato político o distinguiu entre outras lideranças e apesar de não possuir a patente, foi alcunhado de “Coronel” Manoel Gonçalves. Nunca foi subserviente, tratava os chefes políticos como igual. Homem que, apesar de valente, era conciliador. Sua palavra era honrada e ai daqueles que ousavam desafiá-lo. Possuía sua própria “tropa de proteção”, o que era normal e aceitável nos sertões nordestinos, onde os bandos denominados “cangaceiros” aterrorizavam a população e o poder público era incipiente naquelas plagas. Extremamente vaidoso, vestia-se com ternos de linho e casimira inglesa, chapéu de abas curtas, bengala, botas ou sapatos sempre impecáveis, como podemos notar em fotos de acervo familiar. Sua vida, ainda hoje, é motivo de curiosidade de várias pessoas, sendo que alguns destes sempre procuram a família para se inteirarem dos feitos do famoso Coronel, tendo neto, Dr. José de Abrantes Gadelha, escrito o livro  “Sangue, Terra e Pó” sobre fatos da vida de Manoel Gonçalves de Abrantes e outros pesquisadores se deslocam até o sertão para colherem dados sobre o mesmo com o intuito de produzirem documentários.

                                                                               
Manoel Gonçalves e sua esposa

Ingressou na política numa contingência natural, ao lado de outros amigos das famílias de prestígio local, tais como os Mariz, os Oliveira, os Sarmento, os Gomes de Sá, os Pires de Sá, os Gadelha. Desfrutou de prestígio político ante os Governos de João Pessoa, de Antenor Navarro, Oswaldo Trigueiro e Argemiro de Figueiredo. Sofreu perseguições políticas no governo de Rui Carneiro, de1940 a1945. Em 1954 foi eleito Deputado Estadual, pela legenda da UDN, colocando seus filhos Augusto, Romeu e João Gonçalves de Abrantes, na política, para continuação de suas tradições. Augusto Gonçalves de Abrantes, médico, eleito Prefeito de Sousa, mais tarde suplente de Senador da República de Argemiro Figueiredo e Secretário de Saúde do Estado da Paraíba; Romeu Gonçalves de Abrantes, eleito Deputado Estadual, mais tarde fora cassado pela Revolução de 1964; João Gonçalves de Abrantes, várias vezes eleito Vereador, para a Câmara Municipal de Sousa.  Foi ainda Manoel Gonçalves de Abrantes eleito Prefeito do lugar onde nasceu: o Lastro, transformada em cidade, em 1963. Seu palco não era a tribuna da Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba. Manoel Gonçalves não era um tribuno, um orador, no sentido mais peculiar da palavra. A política que o conduzia era aquela dos interesses mais importantes para a sua gente: a defesa do solo, da agricultura, da saúde, das terras produtivas e esta se faziam nos bastidores, nas alianças partidárias. O seu sonho maior foi batalhar para levar para Sousa o Hospital Regional, que hoje leva o seu nome.
Herdeiros de suas tradições políticas, alguns de seus netos e até bisnetos, deram e dá continuidade ao nome e tradições do velho líder político dos sertões nordestinos, tais como John Johnson Dantas Gonçalves de Abrantes, advogado, grande orador, que exerceu cargos públicos relevantes e hoje atua como um dos maiores especialistasem Direito Eleitoraldo país, que divide com seu filho Edward Johnson uma das mais prestigiadas bancas advocatícia do Estado da Paraíba; José de Abrantes Gadelha, advogado, escritor, Defensor Público, duas vezes prefeito da cidade do Lastro – PB; Atualmente a bisneta de Manoel Gonçalves de Abrantes, Isabelle Dantas de Abrantes Diniz, filha de Johnson Abrantes, advogada e vice-prefeita do Lastro, abraçou os ideais do seu ilustre antepassado, iniciando uma nova etapa na vida pública do nosso Estado.

Fazenda Concórdia em 1924, lar de Manoel Gonçalves. 
Zona rural do atual município do Lastro, Paraíba. 

Além dos filhos, Manoel Gonçalves de Abrantes lançou na política o seu genro Nozinho Gonçalves, que foi vice-prefeito e prefeito de Sousa, tendo exercido com muita competência e reconhecimento da população sousense, aqueles cargos públicos. Outros membros da família Gonçalves de Abrantes se destacaram e se destacam até hoje no cenário local e nacional, como pessoas íntegras, profissionais de sucesso e liderança em seus setores, sendo reconhecidos como integrantes de uma das famílias mais conceituadas e tradicionais da Paraíba.
Este foi o legado de Manoel Gonçalves de Abrantes. Citando José de Abrantes Gadelha no final do seu livro “Sangue, Terra e Pó”:
“… depois de haver-nos honrado dignamente, e a própria terra ou o sertão vicejante, com sua existência, vez que, o preço do SANGUE derramado, jorrou e floresceu novas vidas ao regar a TERRA, para mais tarde, através da morte, metamorfoseando-a, transformar o PÓ, que serve, talvez, de leito aos ínvios caminhos e estradas, muitas vezes percorridas e esquecidas”.

Um adendo do autor deste Blog – 

Sempre me chamou atenção durante minhas viagens de pesquisa sobre o cangaço pelos sertões do Rio Grande do Norte e da Paraíba, quando estou na área que abrange desde a cidade de Alexandria (RN), até Uiraúna (PB), em meio às inúmeras entrevistas que por lá realizei,  a presença quase constante do nome do fazendeiro Manoel Gonçalves.
Quando em 2010 conclui a minha pesquisa para o SEBRAE-RN, sobre o caminho percorrido por Lampião no Rio Grande do Norte, quando me encontrava nas cercanias da Serra de Martins, muito distante da cidade do Lastro, o nome de Manoel Gonçalves foi repetido. Até mesmo na Fazenda Trigueiro, em Pereiro, no estado do Ceará, soube que Manoel Gonçalves mantinha com a família Diógenes, dona desta antiguíssima gleba, negócios e laços de amizade.
Percebi que Manoel Gonçalves deixou na memória dos sertanejos uma enorme áurea de respeito, de ser um homem justo, decidido e lutador. Mas o interessante é que mesmo sendo ele um membro da poderosa elite agraria sertaneja da região, possuidor de muito poder em terras, armas e homens, essa memória não vem acompanhada de temor, do medo de simplesmente pronunciar o seu nome, de fatos desabonadores na sua história de vida e nem de exemplos de crueldade gratuita. Bem diferente do que ouvi sobre a história de vida de outros homens poderosos deste nosso sertão.  


Agradeço a amiga Maria Nestorina Dantas Gonçalves de Abrantes pela lembrança de enviar a biografia de Manoel Gonçalves e aos seus parentes, Alberto Júnior e Augusto Abrantes, pelo privilégio em compartilhar as memórias do seu antepassado.


Todos os direitos reservados



É permitida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte e o autor.

http://blogdomendesemendes.blogspot.com
http://limacruzce@yahoo.com.br

2 comentários:

  1. A data de nascimento do Cel. Manoel Gonçalves não é 11/11, mas sim 05/11...
    www.fantenorgonsalves.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. A HISTÓRIA SE FAZ COM VERDADES E SE CONTA SEM VAIDADES PESSOAIS
    De fato o texto não é teu e, assim sendo, não entendi tanto reclamo pelo direito autoral.
    Convivi com o Coronel Manoel Gonçalves (eu, Renato e Cleonice) nos seus dois últimos anos de lucidez... Isto, mais informações e outras convivências, autorizaram-me a escrever o trabalho mais completo sobre o Lastro: O CACHIMBO DE MINHA AVÓ
    (censurado pela ditadura militar) - veja-se minha ficha no SNI.
    Quanto a datas, o nascimento do mesmo se deu em 05 de novembro de 1889 e o falecimento foi no mês de fevereiro de 1973, e não em nove de novembro (de fato 09 de novembro é a data do meu nascimento - prescindindo aqui do ano).
    Quanto à fotografia da casa-sede da fazenda Concórdia, não é do ano de 1924, mas sim de 1926.
    Já quanto à tua dedução de que ele usava bengala é precipitada, posto que inverídica, pois de fato como mostra na foto, ele usava um chicote de couro cru torcido - presente de um amigo seu -, o qual foi objeto de minha curiosidade na infância.
    Mister saber que a História se faz com lutas e sacrifícios, e deve ser contada nos alicerces da verdade.
    De qualquer forma valeu.
    Muitíssimo obrigado.
    F. Antenor Gonsalves - escritor
    www.fantenorgonsalves.blogspot.com

    ResponderExcluir