quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

FALECEU EM MOSSORÓ O RADIALISTA JÚLIO JOSÉ


A cidade de Mossoró no Rio Grande do Norte amanheceu mais triste, hoje, 27 de novembro de 2015, faleceu o radialista Júlio José, vítima de um infarto. Lamentável para a radiofonia mossoroense. 
  

O seu corpo está sendo velado no Centro de Velório "Sempre", em frente ao Tiro de Guerra. O sepultamento será amanhã, 28, às 9h, no Cemitério Novo. Júlio José apresentava diariamente o programa "Momento Esportivo", de 12h às 13h.
  

A Rádio Rural de Mossoró expressa sentimento de solidariedade à família enlutada e pede as orações de todos pelo descanso eterno de Júlio José.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

JIJOCA DE JERICOACOARA/CE SEDIOU A VIII MARCHA DO VALE DO ACARAÚ


Cruz. Aconteceu neste domingo, 15, a VIII Marcha do Vale na cede do município de Jijoca de Jericoacoara, a 300 m de Fortaleza, Paróquia de Santa Luza, Diocese de Sobral.
Foi a primeira vez que Jijoca sediou a Marcha do Vale, embora, geograficamente, não faça parte da Bacia Hidrográfica do Rio Acaraú, mas, está incluída na bacia e tem como destaque a Lagoa de Jijoca, a maior do Estado do Ceará, descrita por José de Alencar, em seu livro indianista Iracema como sendo local de banho da Índia Iracema, a Virgem dos Lábios de Mel.
A Lagoa de Jijoca está com pouca água, como consequência de três anos consecutivos de poucas chuvas que vem assolando o Semiárido Nordestino.                                       
O maior cartão postal hidrográfico do Estado do Ceará também sofre com os efeitos das secas e da poluição e já perdeu mais de 30% de seu espelho d’água para o assoreamento. Locais de águas profundas, hoje, são matas distantes da lagoa.

A VIII Marcha do Vale saiu em defesa da vida com o tema: Violência: Combatê-la, uma questão de vida, com destaque para a Lagoa de Jijoca com o subtema Meio Ambiente, e enfatizou a questão das drogas e da exploração sexual.

A Marcha iniciou as margens da Lagoa e percorreu várias ruas do Centro da Cidade com paradas para momentos de reflexão sobre os subtemas em pauta.
A VIII Marcha do Vale contou com as presenças dos Padres Marcos e Expedito, lideranças comunitárias, representantes de associações e Federação das Associações, representante do SINDSEPCRUZ, secretarias municipais, órgãos do Meio Ambiente, Universidade, representantes das Paroquias de Santana de Acaraú, Morrinhos, Marco, Bela Cruz, Acaraú, Jijoca de Jericoacoara, Aranaú e Sobral e Áreas Pastorais de Vila de Caiçara, Celsolândia, Cauassu, capelas das comunidades rurais e escolas.
Faixas e cartazes, conduzidos por alunos e representantes da igreja, faziam denúncias e apelos em defesa da vida, dos direitos dos cidadãos e do meio ambiente.

 Muito já se fez em defesa do Rio Acaraú e de seus afluentes, mas, muito mais ainda tem que ser feito.

Está na hora de mudar a tática de defender o Vale do Acaraú, voltando-se para a ação, pois, enquanto se faz mobilizações, visitas, palestras, reportagens e questionamentos, o Rio agoniza. Precisamos ser mais práticos e objetivos: fazer reflorestamentos, despoluir o rio, reduzindo os esgotos e retirando os animais que sujam as águas, combatendo o uso de agrotóxicos e protegendo as nascentes do rio principal e de seus afluentes. Talvez a criação de uma associação em defesa do Vale do Acaraú seja uma alternativa a ser pensada para transformar sonhos em realidade.


Dr. Lima
Ver detalhes: www.blogdafolha.blogspot.com.br



sábado, 14 de novembro de 2015

O MAIS NOVO LIVRO DO POETA E ESCRITOR JOSÉ EDILSON DE A. G. SEGUNDO


O livro "NAS TRILHAS DE MEU AVÔ" pode ser adquirido: Em Mossoró na Livraria Independência. Em Natal na Livraria Nobel, da Avenida Salgado Filho. O valor do livro é 30,00 reais.

Um grande abraço,
Edilson Segundo

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

A MOSSOROENSE THÁBATA MENDES É A NOVA VOCALISTA DA BANDA CALYPSO

Priscila Bessado EGO, no Rio
 Veja imagens de Thábata Mendes, cantora que assume o lugar de Joelma

A potiguar foi confirmada pela assessoria da Calypso como a nova vocalista da banda nesta quarta, 28.

Thábata Mendes é a nova vocalista da banda Calypso. A novidade foi confirmada pela assessoria de Chimbinha nesta quarta-feira, 28, após a notícia ter sido publicada pelo jornal "Extra". A loira de 28 anos é de Mossoró, no Rio Grande do Norte, e mantém uma página no Facebook com muitos vídeos em que aparece soltando a voz além de exibir o corpo saradíssimo em sessões de malhação.

EGO NAS REDES SOCIAIS

Thábata será apresentada a imprensa na semana que vem em uma coletiva organizada pela assessoria da banda. Antes de assumir o posto de vocalista da Calypso, a potiguar cantava sertanejo e já foi cantora de axé, ritmo que predomina nos vídeos postados por ela.

Em entrevista ao EGO, Chimbinha já havia dito que tinha encontrado a nova vocalista para a banda e não poupou elogios a moça: "Já tenho uma nova vocalista para a Banda Calypso. Ela é linda, jovial, elegante e afinada”.
  


Agora, a loira tem uma responsabilidade e tanto: assumir o posto de Joelma, cantora com uma legião de fãs e que irá deixar a banda após uma série de escândalos por conta da conturbada separação de Chimbinha.

Na terça-feira, 27, um novo capítulo da crise entre Joelma e Chimbinha veio ao público quando a filha da cantora, Natália, afirmou ter sofrido assédio por parte do ex-padrasto. Ela disse ter sido apalpada por ele aos 12 anos. O cantor negou as acusações através de sua assessoria de imprensa.

http://ego.globo.com/famosos/noticia/2015/10/veja-imagens-de-thabata-mendes-cantora-que-assume-o-lugar-de-joelma.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=ego

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

JOVEM TRAFICANTE É ASSASSINADO EM PREÁ, MUNICÍPIO DE CRUZ/CE



Cruz. Na noite de quarta-feira, 28, vários homens encapuzados chegaram à residência de Carlinhos, 32, na periferia da Comunidade do Preá, por volta de 19hs, identificaram-se como sendo compradores de drogas, conseguiram entrar, renderam a mulher e colocaram no banheiro, amarraram Carlinhos, levaram para um quarto, torturaram e esfaquearam.
Carlinhos é natural da vizinha Comunidade de Formosa, Município de Cruz, mas, há mais de 20 anos que a família havia se mudado para Fortaleza.
Carlinhos e seu irmão Josiel enveredaram para o submundo do tráfico e passaram a residir em Preá. O irmão foi assassinado em Fortaleza aos 21 anos e Carlinhos foi prezo em Cruz.
Após ganhar liberdade, Carlinhos continuou comandando do tráfico em Preá onde construiu uma grande casa residencial e morava com uma mulher da vizinha comunidade de Cavalo Bravo.
Há informações de que um veículo de cor preta estava circulando na comunidade próximo do local da residência há algum tempo. Não se sabe ao certo quantas pessoas faziam parte do grupo de execução, pois, dois encapuzados adentraram à residência, mas eles se comunicavam com outras pessoas que havia ficado do lado de fora da residência.
Durante um bom tempo dois homens, um usando sandálias e o outro usando tênis, circularam pelos terrenos vizinhos à residência.
Segundo relatos de vizinhos, Carlinhos havia comentado que algo estava para acontecer: uma queda de moto ou alguém o procurando, pois, estava sentindo uma sensação estranha (SIC).
O corpo foi resgatado pelo IML no início da madrugada e levado para Sobral.
Um crime bárbaro com muita crueldade que agitou a comunidade de Preá e não se fala em outro assunto nas rodadas de conversa.



Dr. Lima

terça-feira, 13 de outubro de 2015

LIVROS DO GERALDO MAIA DO NASCIMENTO


ATENÇÃO: Novo livro do cangaço publicado:

AMANTES GUERREIRAS: A Presença da Mulher no Cangaço, de Geraldo Maia do Nascimento, Natal-RN: Editora do Sebo Vermelho, 2015, 132 páginas. O pesquisador do cangaço, Geraldo Maia do Nascimento, também conhecido por GMaia, nascido em Natal e radicado em Mossoró, relança o Livro: AMANTES GUERREIRAS:..., agora em 2ª Edição, com o conteúdo ampliado, ou seja, com 132 páginas. O Autor faz uma compilação de quase 100 nomes de cangaceiras. O livro pode ser adquirido com o Professor Francisco Pereira Lima, em Cajazeiras-PB ou no Sebo Vermelho, em Natal-RN. - Carlos Alberto

No dia 17 de Agosto o professor Pereira estará  com esse excelente livro à disposição dos amigos, ao preço de R$35,00
com frete incluso.
Pedido: franpelima@bol.com.br


ADQUIRA LOGO O SEU:


http://blogdomendesemendes.blogspot.com
 http://blogdodrlima.blogspot.com

LIVROS DO ESCRITOR ANTONIO VILELA DE SOUZA


NOVO LIVRO CONTA A SAGA DA VALENTE SERRINHA DO CATIMBAU
Adquira logo o seu, antes que os colecionadores venham invadir a estante do autor.

Peça-o através deste e-mail:

incrivelmundo@hotmail.com


O livro "DOMINGUINHOS O NENÉM DE GARANHUNS" de autoria do professor Antonio Vilela de Souza, profundo conhecedor sobre a vida e trajetória artística de DOMINGUINHOS, conterrâneo ilustre de GARANHUNS, no Estado de Pernambuco.

Adquira logo o seu através deste e-mail:
incrivelmundo@hotmail.com
R$ 35,00 Reais (incluso frete)

http://blogdomendesemendes.blogspot.com
http://jmpminhasimpleshistorias.blogspot.com
http://blogdodrlima.blogspot.com 

QUATRO LIVROS DO ESCRITOR SÉRGIO AUGUSTO DE SOUZA DANTAS





Adquira estes livros através do professor Pereira, lá da cidade de Cajazeiras, no Estado da Paraíba.

E-mail: franpelima@bol.com.br

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com



sábado, 10 de outubro de 2015

O BANQUEIRO DE MOSSORÓ - SEBASTIÃO FERNANDES GURGEL - PARTE FINAL

Por Mariana Gadelha

Memórias imortalizadas

Aos 11 anos de idade, o ainda menino Sebastião começou a escrever acontecimentos do dia a dia em um diário pessoal. Os anos passaram e o hábito continuou, às vezes com um longo tempo de pausa, mas sempre que encontrava tempo, e coragem lá estava ele escrevendo as ocorrências das mais simples, as mais graves, desde um tratamento dentário até a ameaça dos cangaceiros em Mossoró. Além de narrar fatos históricos do Brasil e do mundo, Sebastião registrava os detalhes da sua vida, como a mudança para Mossoró, o casamento com Elisa, o nascimento dos filhos e a criação da Casa Bancária S. Gurgel. Cada anotação revelava uma nova página de histórias, questionamentos, conquistas e costumes sociais.

Durante a pesquisa de informações para o livro que escrevia, sobre o Banco do Brasil, o pesquisador e ex-bancário Obery Rodrigues tomou conhecimento desse precioso diário, que estava em posse de Ronald Gurgel, neto de Sebastião. As anotações chamaram a sua atenção pela riqueza de detalhes que faziam desses relatos "um documento valioso para a história de Mossoró", afirma. Obery informou a existência dos escritos a Vingt-un Rosado, que tinha uma fundação com seu nome em Mossoró e transformou o diário de Sebastião Gurgel em seis livros divididos por ano, abrangendo de 1900 até 1966. 
  
Obery Rodrigues, secretário de Planejamento do RN (Foto: Ricardo Araújo/G1) - oparalelocampestre.blogspot.com

O historiador Marcos Oliveira foi o responsável pela digitação dos manuscritos juntamente com o tio Raimundo Soares, e compartilha que o trabalho foi bem árduo. "Recebemos uma cópia com algumas partes difíceis de ler, além disso, tivemos que decifrar a letra de Sebastião e a ortografia da época", compartilha. Entre as anotações que mais lhe chamaram atenção, Marcos cita as relativas a preços de mercado, além de informações sobre as chuvas no interior potiguar que revelam a situação sócio econômica da população em cada época. 

Sobre a vida pessoal ele destaca o carinho que Sebastião demonstra pela família, com registros anotados na contracapa do diário de todos os nascimentos dos filhos e netos.

Para Marcos a obra possui dados que envolvem cultura, sociologia e economia, principalmente das cidades de Caraúbas e Mossoró. "Esse material está disponível para sociólogos, antropólogos e historiadores entenderem o contexto de um indivíduo em determinadas circunstâncias, além dos hábitos sociais e os fatos históricos de Mossoró em diferentes épocas, desde a Primeira República até a era de Getúlio Vargas", ressalta.

FIM!
Fonte: Revista BZZZ
Digitado por José Mendes Pereira

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

terça-feira, 6 de outubro de 2015

O BANQUEIRO DE MOSSORÓ - SEBASTIÃO FERNANDES GURGEL - PARTE VI

Por Mariana Gadelha

Amor e generosidade

Honesto, pacato e amoroso são palavras que resumem as qualidades de Sebastião Gurgel aos olhos do filho Raimundo. Em casa o patriarca era maleável, cultivava um casamento feliz ao lado de Elisa Rocha e preocupava-se com a educação dos descendentes. Ele próprio não tinha muito estudo, mas gostava de ler jornais e livros, assim como ir ao teatro e ao cinema, costumes que o tornaram um homem bem instruído. "Meu pai sempre dizia que ganhava mais que um general, mas não tinha a segurança de possuir um diploma, por isso nos incentivou a estudar", afirma o sucessor do grande banqueiro que "não era Midas, mas onde colocava a mão fazia o negócio prosperar", complementa.

A generosidade era outro ponto forte de Sebastião, que ao lado de Elisa encaminhava os parentes para a educação e o trabalho. No livro sobre Delmiro Rocha, escrito por Misherlany Gouthier juntamente com o neto do personagem, Fernando Diniz Rocha, há relatos de que o casal Rocha Gurgel ajudou a família em tempos difíceis. "Elisa e Tião Gurgel foram verdadeiros protetores dos Diniz Rocha até o início de suas atividades comerciais, independentemente", citam os autores.

Em outra página, Fernando Rocha compartilha que Elisa era uma grande mulher, considerada uma verdadeira matriarca pela maneira protetora e fundamental com que cuidava dos irmãos e se preocupava com o futuro deles. "Além da pessoa que era, teve na família a sorte advinha do seu casamento com o comerciante e posteriormente banqueiro Sebastião Gurgel, próspero que ao lado da companheira agiu beneficamente, engrandecendo aos demais familiares pelo encaminhamento na vida social e educativa dos parentes. (...) O sucesso dos Diniz Rocha se deve, em grande parte, a ajuda benevolente do casal Sebastião e Elisa"". ressalta.

Raimundo Gurgel adiciona que a família da mãe era humilde, por isso ela costumava dizer que só se casaria com "homem de loja", ou seja, alguém que tivesse melhores condições financeiras. Além de concretizar o seu desejo, Elisa ainda teve a sorte de viver um relacionamento harmonioso ao lado de Sebastião. "meu pai era de um temperamento brando demais. Não levantava a voz, ao contrário da minha mãe, que era mandona. Ele era um verdadeiro "MANICACA", inclusive, na mesa da sala de jantar não era meu pai que se sentava na cabeceira, e sim ela", recorda o filho do casal. Elisa faleceu em 1968 e Sebastião ainda viveu mais alguns anos. Em 1972, ele partiu para reencontrar o seu amor. 

CONTINUA...
Fonte: Revista BZZZ
Digitado por José Mendes Pereira

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O BANQUEIRO DE MOSSORÓ - SEBASTIÃO FERNANDES GURGEL - PARTE V

Por Mariana Gadelha

Multiplicadores de riqueza

A veia comercial de Sebastião foi disseminada para as novas gerações, a exemplo do bisneto Flávio Rocha, presidente das lojas Riachuelo, cuja mãe Eliete era filha de Judilite e neta de Sebastião. Ela casou-se com o primo Nevaldo, filho de paulina Rocha, a qual era irmã de Elisa Rocha. Ambas eram filhas do  comerciante Delmiro Alves da Rocha Maia, natural de Catolé do Rocha, na Paraíba, de onde precisou ir embora por causa de tensões políticas. Contraparente do patriarca Jerônimo Rosado, Delmiro buscou abrigo em Mossoró e montou um grande comércio na cidade. Também na terra de Santa Luzia, adentrou na carreira política e assumiu dois mandatos de vereador. Para emaranhar ainda mais essa teia de parentescos, vale destacar que os sobrenomes Alves e Maia presente no nome dele são, de acordo com o pesquisador Misherlany  Gouthier, os mesmos do senador José Agripino.

O tino para o comércio, portanto, foi passado do avô Delmiro para o neto Nevaldo, que saiu da cidade-natal Caraúbas com destino ao Recife, onde começou a trabalhar no ramo de confecções. Depois, mudou-se para Natal e iniciou a vida como empresário em 1947, quando fundou sua primeira loja de roupas chamada “A Capital”, no bairro da Ribeira. Em outubro de 1956, Nevaldo e o irmão Newton Rocha fundaram o grupo Guararapes, inicialmente uma pequena confecção de vestuário que se expandiu até se tornar a maior da América Latina.

Flávio Rocha, bisneto de Sebastião Fernandes Gurgel, com seu pai Nevaldo Rocha

Atualmente, a Guararapes possui certa de 35 mil colaboradores e produzem quase 185 mil peças por dia, totalmente comercializadas pelas lojas Riachuelo, outro negócio próspero da família que está presente em todos os estados do País. Também proprietário do Midway Mall, o maior shopping de Natal, Nevaldo Rocha é apontado pela revista Forbes como um dos homens bilionários do Brasil. O império construído por ele segue para os filhos Flávio, Élvio e Lisiane, herdeiros do empreendedorismo entre gerações, passando dos bisavôs para os netos e bisnetos.

CONTINUA...

Fonte: Revista BZZZ
Digitado por José Mendes Pereira

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

Personagens Históricos ZÉ DO TELHADO - FILME E HISTÓRIA - FINAL


P.S.1

O julgamento de Zé do Telhado iniciou-se em 25 de Abril de 1859, com acusação pública em 9 de Dezembro do mesmo ano. Foi condenado na pena de trabalhos públicos por toda a vida, na costa ocidental de África e no pagamento das custas. Esta pena foi mantida pelo Tribunal da Relação do Porto, cujo acórdão de sentença substituíu a expressão "costa ocidental de África", por "Ultramar". 

https://www.youtube.com/watch?v=YOixhCAg-mY#t=16

Por acórdão da mesma instância, foi comutada a pena aplicada na de 15 anos de degredo para a África Ocidental, que contou desde a data de publicação do Decreto de 28 de Setembro de 1863.

A condenação deu como provados os seguintes crimes: tentativa de roubo, na forma tentada, em casa de António Patrício Lopes Monteiro, em Santa Marinha do Zêzere, comarca de Baião, homicídio na pessoa de João de Carvalho, criado de Ana Victória de Abreu e Vasconcelos, de Penha Longa, Baião, roubo na casa de referida senhora (Casa de Carrapatelo) de objectos de ouro e prata no valor de oitocentos mil e um conto de reis e algumas sacas com dinheiro, cujo valor a queixosa calculou em doze contos de reis, ainda que revelasse desconhecer os montantes visto que o dinheiro se encontrava na casa mortuária onde jazera, poucos dias antes, seu pai, e, após isso, ela ainda nem sequer lá voltara a entrar, roubo em casa do Padre Padre Albino José Teixeira, de Unhão, comarca de Felgueira, no valor de um conto e quatrocentos mil reis em dinheiro e ainda objectos de prata e outro, outro homicídio na pessoa de um correligionário, ferido num confronto com as autoridades.

Para além de outros crimes de roubo e de resistência à autoridade, foi também condenado como autor e chefe de associação de malfeitores e de tentativa de evasão do reino sem passaporte, com violação dos regulamentos policiais.

FINAL
Texto: Português
Áudio: Português
Fonte: Wikipédia - YouTube - Setúbal na Rede


http://ruilyra.blogspot.com.br/2014/09/ze-do-telhado-filme-e-historia.html

Postado por: http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

domingo, 27 de setembro de 2015

O BANQUEIRO DE MOSSORÓ - SEBASTIÃO FERNANDES GURGEL - PARTE IV

Por Mariana Gadelha

CATETINHO

Quem passa pela casa 98 da Praça Bento Praxedes, em Mossoró, até hoje pode ver os traços arquitetônicos originais da construção de 1918, erguida por Sebastião Fernandes Gurgel, que morou no imóvel com a família durante alguns anos e o vendeu em 1929 ao comerciante Miguel Faustino do Monte. 

 
Catetinho - issuu.com

Quando ainda era proprietário deste último, o casarão abrigou o então presidente Getúlio Vargas e sua comitiva em 13 de setembro de 1933, durante visita de dois dias a Mossoró, período em que foi instalado na cidade o Governo Provisório da República do Brasil. A partir daí o palacete foi batizado de "Catetinho", em alusão ao Palácio do catete, no Rio de Janeiro, à época sede do Governo Federal. 

A casa passou para as mãos da família Rosado em 1945, ano em que foi adquirida por Dix-neuf Rosado. Foi lá que o novo dono morou até seu último dia de vida, em 20 de abril de 1986, e onde a esposa Odete permaneceu também até a sua morte, em outubro de 2012.

Dona Odete e seu esposo Dix-neuf Rosado. Ele pertenci  à família numerada de Mossoró

Em matéria publicada Bzzz de dezembro de 2013, o repórter Thiago Cavalcanti lembrou o incêndio que destruiu o casarão em 12 de janeiro de 2000. "Ao ser consultada sobre onde iria querer morar, a matriarca Dona Odete foi enfática: "quero continuar morando no mesmo endereço, se for preciso usem todas as minhas economias para reconstruiu o Catetinho". Pedido feito, pedido aceito. Os filhos contrataram uma construtora e foram quatro meses de obras, dia e noite sem parar. "Toda a parte externa da casa foi inalterada, o resto foi reconstruído, o mais próximo do original", detalha.

O Catetinho ganhou um novo proprietário no ano passado, o empresário Almir Silveira, que pretende abrir um shopping popular mantendo o estilo arquitetônico da construção centenária. 
  
Jornalista Lúcia Rocha

Em visita ao imóvel no dia 16 de maio, a jornalista Lúcia Rocha fez registros do início das obras que foram embargadas pela fiscalização ambiental da prefeitura de Mossoró. Por enquanto, o futuro do empreendimento ainda é uma incógnita.

CONTINUA...

Fonte: Revista BZZZ
Digitado por José Mendes Pereira

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

sábado, 26 de setembro de 2015

Personagens Históricos ZÉ DO TELHADO - FILME E HISTÓRIA - Parte III


Zé do Telhado, titular da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, permanece no imaginário popular como um assaltante que roubava aos ricos para dar aos pobres. O mito e as lendas têm servido para ocultar um processo judicial feito de mentiras e provas forjadas.

Na campa, onde jaz, consta uma data de nascimento igualmente falsa. As quadrilhas integravam padres, morgados, administradores, empresários e alfaiates. Nunca foram julgados. A História reconduz-nos a julgamentos recentes, alguns dos quais da actualidade...

Na noite de 16 para 17 de Março de 1857, Zé do Telhado é já alvo de uma caça ao homem sem precedentes. Tinha renovado a quadrilha, agora constituída por Zé do Telhado e o irmão Joaquim, António da Cunha, o Silva mestre pedreiro, a senhora Tomásia, Joaquim Pinto e a mulher, donos de uma estalagem , o Morgado António Faria, o padre Torquato José Coelho Magalhães, o alfaiate Miguel Exposto, o Morgado da Magantinha(António Ribeiro de Faria) e o administrador Albino Leite.
 
Zé do Telhado resolve pernoitar em Amarante, cujo administrador, José Guedes Cardoso da Mota, fora avisado que o fugitivo passaria a noite na casa de Manuel Teixeira, do Sardoal.
 
Cabos de ordens, tropas de caçadores e regedores das freguesias são mobilizados em peso para a captura, cujo comando fora confiado ao regedor Alves, de São Gonçalo.
 
Cercaram a casa durante a noite. Mal irrompessem os primeiros raios de sol, por imposição legal, o assalto e as prisões consumar-se-iam. A mulher do dono da casa, quase de madrugada, apercebeu-se do cerco e tentou alertar Zé do Telhado, entretanto ocupado a cuidar do visual. 

Nas situações mais dramáticas, o homem cofiava a barba hirsuta, ajeitava o paletó, empertigava a peitaça frente ao espelho.

Dirigiu-se a uma janela e interpelou um dos cabos. ”Quem anda aí? – as palavras de Zé do Telhado rasgaram a noite gelada. A resposta chegou e trazia mau augúrio: ”É o regedor da freguesia. Por ora não queremos nada, o que queremos será mais logo”. O foragido dirige-se para o lado oposto da casa e abre outra janela. ”Tu, que estás detrás do carvalho, sai!.. senão morres!”

Ao grito da última palavra, colou-se um tiro que aterrorizou a patroa. “Entregue-se, senhor, que eles não lhe fazem mal” – ajoelhou-se a mulher. Zé do Telhado nem ouviu. Ao nascer do dia, para surpresa geral, abre a porta de casa e aparece de peito feito. Desce os degraus e simula que se vai entregar. Em tropel, a tropa lança-se sobre a criatura. O gesto é fulgurante - recua, entra de novo em casa, bate com a porta, foge pelas traseiras, galgando um monte.
 
Os sitiantes seguiram-lhe no encalço. Sentindo-se perseguido, desfechou um tiro. Depois, outro. Estava morto o regedor Alves, comandante do pelotão destroçado. 

A verdade histórica confronta-se, hoje, com as versões oficiais e a lenda de José Teixeira da Silva, nascido em 1818 no lugar do Telhado, freguesia de Castelões de Recezinhos, concelho de Penafiel.
 
Aos 14 anos, o garoto muda de ares e vai residir para casa do tio João Diogo, no lugar de Sobreira, freguesia de Caíde de Rei, concelho de Lousada. Castrador e tratador de animais, acolhe o sobrinho, interessado em aprender o ofício. Diogo tinha vida abastada e deu abrigo a José Teixeira da Silva durante cinco anos.
 
Agosto quente, festa da Senhora da Aparecida, 13 de Agosto, dia de folguedo geral no lugar. José Teixeira descobre o aceno de um lenço branco por detrás de uma janela, na casa onde morava.
 
Ana Lentina, a prima, faltara ao festim. Afogueado, o moço galga o portão e corre para os braços da prima. Um beijo subtil e cinco palavras de amor selaram uma paixão que acabaria em casamento e tragédia. Tinha 19 anos.
 
Pouco depois, assenta praça no quartel de Cavalaria 2, os “Lanceiros da Rainha”. Corria o mês de Julho de 1837. Rebenta a “Revolta dos Marechais”, contra o partido dos setembristas e pela restauração da “Carta Constitucional”. Os lanceiros alinham com os revoltosos, desbaratados a 18 de Setembro.
 
O general Schwalback, líder da insurreição, foge para Espanha e leva José Teixeira, que se distinguira em combate. A caminho do exílio, o intrépido recebe a notícia de que o tio, finalmente, abençoara o seu casamento com Ana.
 
Regressado com um perdão a Portugal, troca alianças a 3 de Fevereiro de 1845. A 7 de Novembro, nasce a primeira filha do casal – Maria Josefa.
 
Grassava no país uma revolta larvar contra o governo de Costa Cabral. O povo, ajoujado a impostos e arbítrios, aproveita a publicação da “Lei de Saúde Pública”- que proíbe os funerais nas igrejas e impõe aos cadáveres um exame por mandatários do governo, em detrimento dos cirurgiões locais – e amotina-se por todo o Minho contra as “papeletas da ladroeira”.
 
Estala a 23 de Março a “Revolução da Maria da Fonte”, liderada por mulheres. As quatro cabecilhas da revolta são presas dois dias depois, mas o rastilho espalha-se a Trás-os-Montes.

Há soldados que desertam para o lado dos insurretos. Chaves adere, depois Póvoa de Lanhoso, Vila Real, Guimarães. Centenas de revoltosas são presas pelos soldados e libertadas por companheiras.
 
José Teixeira foi o líder militar da insurreição, à qual aderiram pés descalços e o General-Visconde de Sá da Bandeira, às ordens de quem fica o sargento Silva. Logo se distingue na expedição a Valpaços.
 
Os actos de bravura, despojamento, apurado instinto militar, num combate que perdeu, valeram-lhe a mais alta condecoração que ainda hoje vigora em Portugal: a ” Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito”.
 
O pior viria depois.
 
Derrotado, aconchega a condecoração, tira as divisas de sargento e voa como um pássaro para os braços da mulher e dos cinco filhos. Os vencedores atacaram a canalha. José Teixeira é perseguido, atola-se em dívidas por impostos que não consegue pagar e é expulso das Forças Armadas.
 
Não há quem lhe dê ofício, a todas as portas bateu – todas se lhe fecharam.

Assim nasce o Zé do Telhado que faria lenda.
 
Nesse tempo, Custódio, o “Boca Negra”, capitaneava a maior quadrilha de bandoleiros que aterrorizou as duas beiras em 1842. Conhecia, de gingeira,as façanhas militares de José Teixeira.

Ferido num dos assaltos, “Boca Negra” leva Teixeira a um casario meio abandonado onde se acoitava o bando. Apresentam-se à luz da vela - o “Tira-Vidas”, “O Girafa”, o “Sancho Pacato” o “Veterano” e o “Zé Pequeno”. Para o assalto do dia seguinte, “Boca Negra”, o líder ferido, informa a quadrilha que José Teixeira o substituiria no comando.

A bola de neve cresceu, imparável.
 
Zé do Telhado faz e reorganiza quadrilhas, ganha fama de generoso e audaz pelas vítimas que escolhe para os assaltos e o destino do dinheiro ou das jóias – os desgraçados com que se cruzava e, antes de tudo, a “ minha rica mulher e os queridos filhinhos”,como os viria a chamar, mais tarde, ao companheiro de prisão Camilo Castelo Branco.
 
A fama do bandoleiro atravessa o país. O temido Zé do Telhado emite, aos que estimava, um salvo conduto com a sua assinatura e esta informação:

” O portador deste salvo-conduto pode passar livremente e mando que o ajudem quando for preciso”.
 
Com as autoridades no seu encalço por todo o país, mil vezes o cercaram, mil vezes se escapuliu o tenebroso. Vendo-se perdido, decide fugir para o Brasil. Escondeu-se na barca “Oliveira”, acostada no Porto, onde lhe dera guarida nos últimos três dias Ana Vitória, uma das suas vítimas que passou a idolatrá-lo e sobre quem disse haver pessoas “de bem que nunca deram às classes humildes um centésimo do que lhes deu Zé do Telhado.” Desarmado e a horas de zarpar, Zé do Telhado é preso no esconderijo, a 5 de Abril de 1861.
 
Às dez da manhã do dia 25 de Abril, começa no tribunal de Marco de Canaveses o julgamento de José Teixeira da Silva.
 
No dia 27, às duas da madrugada, o júri, presidido pelo juíz António Pereira Ferraz, considerou Zé do Telhado culpado da prática de doze crimes. Roubos, um homicídio, organização de quadrilha de assaltantes e a tentativa de evasão sem passaporte.
 
“Condeno o réu José Teixeira da Silva da freguesia de Caíde de Rei, comarca de Lousada, na pena de trabalhos públicos por toda a vida na Costa Ocidental de África e no pagamento de custas” – assim determinou o tribunal.
 
O julgamento, sabe-se hoje, foi uma farsa. Uma consulta, ainda que superficial, a todos os documentos oficiais que constam no Tribunal da Relação do Porto e no Arquivo Distrital do Porto não deixam qualquer margem para dúvidas.
 
Alguns dos membros das quadrilhas chefiadas por Zé do Telhado foram arroladas pela acusação e safaram-se. Morgados, padres, administradores e regedores que tinham cometido os mesmos crimes do réu nunca seriam acusados ou perseguidos.

Várias testemunhas de acusação nada viram, de tudo souberam por terem ouvido.
 
Consta do processo que António Ribeiro, pedreiro, ”ouviu dizer que fora o querelado José do Telhado a roubar”. Alexandre Nogueira, comerciante, “não sabe que armas feriram o regedor se as do querelado se as dos sitiantes”. António da Silva, lavrador, “soube pelo ouvir dizer do padre roubado que o Zé do Telhado fora um dos que penetrara dentro da casa armado e isto tem ouvido ao povo”. Manuel de Sousa, lavrador, disse que “ sabe por ser bem público que tivera lugar o roubo de que se trata no dia pela forma que nos autos se declara”. Timóteo José de Magalhães, lavrador, “ disse que sabe pelo ter ouvido ao povo que tivera lugar o roubo de que se fala nos autos”. Francisco Moreira da Cunha, lavrador, “ouviu dizer e ser público e notório que o réu José Teixeira e o irmão estavam para embarcar para o Brasil”.

Só um tiro sairia pela culatra à acusação. Francisco António de Carvalho, lavrador, afirmou que “ o Zé do Telhado pagava crimes que não tinha cometido e ouviu dizer que se havia combinado com o administrador do concelho para imputar os dois crimes de roubo ao Zé do Telhado”.
 
Os quadrilheiros nobres evadiram-se para o Brasil, como sucedeu com o padre Torcato, ou colaboraram com a acusação, a troco da ilibação. O historiador Campos Monteiro analisou os autos e emitiu um parecer a este respeito:

“ É de crer que nesta altura se movimentassem altas influências tendentes a ilibar estas parelhas de bandidos engravatados. O facto é que saíram em liberdade. E é natural que o administrador, ao mesmo tempo que os inocentava, procurasse aproveitá-los ”.
 
O caso da ilibação do Morgado da Magantinha está igualmente documentado nos autos. Após a fuga do padre Torcato, a acusação subornou a testemunha António Eliziário que, perante o juíz, afirmou saber que “Margantinha foi um dia convidado pelo padre Torcato a ir ter à capela de Santa Águeda e, indo ali, o encontrou com alguns membros da quadrilha e quatro bois roubados”, pedindo-lhe “ o padre que tomasse conta dos bois para os vender, mas o Margantinha recusou-se”.

A verdadeira história do mito Zé do Telhado está mal contada, a começar pela data de nascimento que lhe é atribuída – na campa aparece 1815, em vez de 1818 – e culminando no julgamento relâmpago que durou menos de dois dias úteis.
 
Foram subtraídas testemunhas indispensáveis, promovidas declarações falsas e adulterados os critérios de escolha dos jurados. Em vez do sorteio, foram escolhidos a dedo conhecidos inimigos de Zé do Telhado. Condenado ao degredo, José Teixeira da Silva desembarcou em Luanda, seguindo para Malange, onde viveu cerca de um ano.

Palmilhou cada légua das terras da Lunda.

Fez-se negociante de borracha, cera e marfim.
 
Casou-se com uma angolana, Conceição, de quem teve três filhos. Cresceu-lhe a barba, até ao umbigo.
 
Era, para os angolanos, o “quimuêzo” – homem de barbas grandes.
 
Viveu desafogado, financeiramente. As saudades da mulher e dos cinco filhos levaram-no mais cedo.
 
Morreu, moído de remorsos, aos 57 anos.
 
Sepultado na aldeia de Xissa, a meia centena de quilómetros de Malange, os negros ergueram-lhe um mausoléu.
Hoje, fazem-se romagens à campa do mito.

Os anciãos de Malange dizem que, embora fosse um homem austero, tinha um grande coração e nunca deixava cair um pobre.

Texto: Português
Áudio: Português
Fonte: Wikipédia - YouTube - Setúbal na Rede


http://ruilyra.blogspot.com.br/2014/09/ze-do-telhado-filme-e-historia.html

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

O BANQUEIRO DE MOSSORÓ - SEBASTIÃO FERNANDES GURGEL - PARTE III

Por Mariana gadelha
Sebastião Fernandes Gurgel  - 1946 - www.azougue.org

VIDA PÚBLICA

O comerciante e banqueiro participou ativamente da vida social mossoroense desde que começou a morar no município. Nos primeiros dias após a mudança, associou-se ao Instituto Literário 2 de Julho, e em agosto de 1910 tornou-se membro do Tiro de Guerra de Mossoró,

www.blogdogemaia.com

que tinha como objetivo proporcionar instrução militar à classe de comerciantes. No mesmo mês do anos seguinte, participou da Fundação da Sociedade da União Caixeiral. que assistia social e educativamente os comerciários locais. A entidade também foi a primeira instituição de ensino profissionalizante de Mossoró, com a 
  
www.blogdogemaia.com

Escola Técnica de Comércio União Caixeiral fundada e m 1935, destinada à formação exclusiva de técnicos em Contabilidade. Hoje, em dia, o antigo prédio da União Caixeiral, na Praça da Redenção, abriga a Biblioteca Municipal de Ney Pontes Duarte.

O empresário ainda foi presidente da Associação Comercial e Tesoureiro do Hospital de Caridade de Mossoró, cargos que somados aos restantes o levaram a uma posição de destaque na sociedade da época. A popularidade e boa imagem junto aos mossoroenses levaram o também militante político à Câmara Municipal, onde cumpriu pelo menos três mandatos de vereador. Em 1948, candidatou-se a prefeito de Mossoró, mas perdeu as eleições para Dix-Sept Rosado.


Em 25 de março de 1911 nascia em Mossoró Jerônimo Dix-Sept Rosado Maia. - Foi prefeito de Mossoró e Governador do Rio Grande do Norte

Já a esposa, Elisa Rocha Gurgel, foi pioneira do processo de conquista dos direitos da mulher pelo foto feminino, ao lado de Beatriz Leite de Morais, Maria Silva de Vasconcelos e Celina Guimarães Viana - primeira eleitora do Brasil e primeiro foto feminino da América Latina. 

CONTINUA...

Fonte: Revista BZZZ
Digitado por José Mendes Pereira

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Personagens Históricos ZÉ DO TELHADO - FILME E HISTÓRIA - Parte II


José do Telhado ou Zé do Telhado, alcunha de José Teixeira da Silva CvTE (Lugar do Telhado, 1 Castelões de RecesinhosPenafiel22 de junho de 1818 —MucariMalanjeAngola1875) foi um militar e famoso salteador português.

Chefe da quadrilha mais famosa do Marão, Zé do Telhado é conhecido por "roubar aos ricos para dar aos pobres" e, por isso, muitos o consideram o Robin dos Bosques português.

De origens rurais humildes, aos 14 anos foi viver com um seu tio, no lugar de Sobreira, freguesia de Caíde de Rei, para aprender com ele o ofício de castrador e tratador de animais.2 No dia 3 de Fevereiro de 1845 casou-se com a sua prima Ana Lentina de Campos e da qual teve cinco filhos.

Tinha vasta experiência militar começada no quartel de Cavalaria 2, os Lanceiros da Rainha, e toma parte contra o partido dos setembristas e pela restauração da Carta Constitucional, no mês de julho de 1837. Derrotado, refugia-se em Espanha.

Ao regressar, grassava no país uma revolta larvar contra o governo anticlerical de Costa Cabral e quando estala a Revolução da Maria da Fonte, a 23 de março de 1846, vê-se envolvido como um dos líder da insurreição. Coloca-se às ordens do General Sá da Bandeira, que também tinha aderido. Assume o posto desargento e distingue-se de tal forma na bravura e qualidades militares que, na expedição a Valpaços, recebe a Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, a mais alta condecoração que ainda hoje vigora em Portugal. No entanto, o seu «partido» entra em desgraça, amontoa dívidas de impostos que não consegue pagar e é expulso das forças armadas.

Já como "Zé do Telhado", chefe bandoleiro, realiza um grande número de assaltos por todo o Norte de Portugal, durante um período muito conturbado que coincidiu com o pedido de maior resistência de D. Miguel, no exílio com seu governo, aos seus partidários miguelistas que tentaram formar grupos de guerrilha em todo o país.

O bandoleiro mais conhecido do país acaba por ser apanhado pelas autoridades em 31 de março de 1859 quando tentava fugir para o Brasil. Esteve preso naCadeia da Relação, onde conheceu Camilo Castelo Branco que se lhe refere nas Memórias do Cárcere.3

Em 9 de dezembro de 1859 foi julgado e condenado ao degredo perpétuo na África Ocidental Portuguesa. Foi-lhe comutada a pena aplicada na de 15 anos de degredo, em 28 de setembro de 1863. Viveu em Malanje, negociando em borrachacera e marfim. Casou-se com uma angolana, Conceição, de quem teve três filhos. Conhecido entre os locais como o kimuezo – homem de barbas grandes –, viveu desafogadamente. Faleceu aos 57 anos, vítima de varíola, sendo sepultado na aldeia de Xissa, município de Mucari, a meia centena de quilómetros de Malanje, sendo-lhe erguido um mausoléu, objeto de romagens.

Texto: Português
Áudio: Português
Fonte: Wikipédia - YouTube - Setúbal na Rede


http://ruilyra.blogspot.com.br/2014/09/ze-do-telhado-filme-e-historia.html

http://blogdomendesemendes.blogspot.com

http://blogdodrlima.blogspot.com